Pages

quinta-feira, 8 de agosto de 2013

A pavorosa Mansao dos Ludwig

Berlim, Primavera de 1729

Na gigantesca mansão dos Ludwig, reinava-se a escuridão e o silêncio. A matriarca, condessa Anna da Rússia e seus quatro filhos, se encontravam em seus aposentos. Os empregados da mansão já haviam se retirado. Passava das duas da manhã, e o único acordado no recinto era o conde, patriarca da família, Adolph Ludwig.

Adolph trancafiara-se na biblioteca da mansão, na ala oeste, enquanto o sol se punha. Ficou no recinto até o iniciar da manhã seguinte e, nas primeiras horas da madrugada seguinte, partiu, portando um enorme facão. Caminhou pelos corredores escuros da mansão e chegou à entrada do corredor dos aposentos de sua família. O conde estava estranho, parecia estar absorto em algum devaneio. Parecia sedento por sangue.

A passos largos, Ludwig adentrou no corredor dos aposentos de sua família. Havia seis portas laterais e uma maior, frontal. O conde pulou as duas portas e adentrou nas demais. Gastava alguns poucos minutos em cada quarto e depois saía. A cada porta que saía, sua roupa e punhal ficavam mais sujas de sangue. Adentrou no último recinto. Era um quarto suntuoso. Uma cama ocupava o centro do recinto, enquanto diversas mobílias ocupavam as paredes do local. Na cama, Anna da Rússia ocupava a parte direita. Dormia tranquilamente, mal sabendo do destino que lhe esperava.

Adolph adentrou no recinto a passos vagarosos. Ao se encontrar frente a frente à sua esposa, parou. Fitou-a por alguns segundos, como se rezasse por sua alma. Em seguida, levantou o punhal, baixando-o instantes depois.



Os corpos mutilados dos filhos e da esposa do conde Ludwig foram encontrados na manhã seguinte pela camareira da mansão. Estavam sobre a cama, todos deitados de costas. Haviam feridas múltiplas pelo corpo, e o ventre estava eviscerado – partes do estômago, fígado e intestinos se encontravam sobre a cama, mergulhados em uma poça de sangue. Ludwig foi encontrado sentado em sua cama, com o punhal em mãos. Fora preso naquela mesma manhã, sentenciado e condenado à forca dias depois.

Com o fim da família Ludwig, a enorme mansão passou para os domínios do então rei da Prússia, Frederico Guilherme I, o "Rei-Soldado".



Berlim, Inverno de 2012

Era uma fria manhã de inverno na capital alemã. A temperatura estava amena – algo em torno dos 5º C – e as ruas estavam cobertas da neve que caiu por toda a madrugada. Michael e Diana Ross se encontravam na prefeitura da cidade de Berlim, interessados em adquirirem o gigantesco prédio onde no início do século XX abriu-se o gigantesco hotel cassino Hotel Kakashoro, e que fechou devido à Batalha de Berlim, em 1945.

- Tem certeza? – perguntou o funcionário da prefeitura. – Ninguém gosta de entrar naquele cassino...

- Por quê? O que tem de errado? – perguntou Michael, um alemão de seus trinta e poucos anos, espadaúdo, loiro e de olhos esverdeados

- Dizem que o local é assombrado...

- Só porque o Arnold Kakashoro desapareceu no seu quarto durante o ataque dos Aliados a Berlim, não significa que o local seja assombrado. Fatos como esse acontecem a todo instante.

- O motivo maior não é a morte do Sr. Kakashoro. Ele próprio reclamava dos estranhos acontecimentos que cercam àquele local.

- Acontecimentos?! – perguntou Michael

- Poltergeist!

- Poltergeist?! - Michael estava atônito

- Isso mesmo.

- Faça-me o favor! – reclamou o homem, se levantando da cadeira – Você acha que realmente vou acreditar nisso?

- Não estou de brincadeiras, Sr. Ross. É algo sério!

- Eu não acredito em fantasmas, poltergeist ou algo parecido.

- Mas deveria acreditar.

- Eu volto daqui a alguns meses e irei te provar que não há acontecimentos sobrenaturais naquela mansão.

O funcionário respirou fundo.

- Como quiser!



Na tarde daquele mesmo dia, Michael e Diana se mudaram para seu novo lar. O casal vinha de Munique e acabaram mudando por conta do emprego de Michael junto ao Ministério do Interior; este era o motivo da pressa em adquirir um domicílio. Essa mansão foi um achado, pensou consigo mesmo. Grande, perto do serviço e barato. Melhor impossível, concluiu.

Diana arrumou, de forma improvisada, um colchão inflável e várias colchas, que o casal trouxe para Berlim. Os móveis e demais pertences sairiam de Munique na manhã seguinte, em um caminhão fretado.

O casal dormiu no maior quarto da enorme mansão. O recinto ficava no lado oposto da entrada de um corredor com seis portas, na ala leste. Depois do local se transformar em hotel cassino, os quartos foram numerados, e aquele era o quarto de número 28.



Diana e Michael acordaram no dia seguinte tão logo o sol raiou. Como não havia cortinas, tão logo a fraca luz do sol apareceu no horizonte, adentrou pela janela no enorme quarto 28 e acordou o casal.

Michael acordou primeiro. Levantou-se e olhou o relógio que portava. Eram sete e meia da manhã.

- Quantas horas? – perguntou Diana, sonolenta

- Sete e meia. – respondeu Michael

- O caminhão já deve ter partido de Munique!

- Sim! – respondeu Michael. O homem virou o olhar em direção ao canto do recinto. A lanterna que o casal comprou para iluminar o recinto – uma vez que a luz elétrica ainda não tinha previsão de ser ligada – estava caída no chão, espatifada.

- Diana... – disse Michael, fitando a lanterna partida – Você quebrou a lanterna, por um acaso?

- Não! – respondeu Diana – Por quê? Algum problema? – Diana tinha dificuldades de acordar cedo, e ainda postava-se sonolenta sobre a cama

- Nada! – respondeu seu marido, se levantando da cama. – Eu vou me arrumar. – Michael caminhou em direção à sua mala, pegou um par lindo de roupas e partiu do local.



Os móveis de Diana chegaram ao meio dia. O casal não tinha móveis suficientes para mobiliar metade daquela casa, então Diana preferiu preencher a ala leste, onde se encontrava o seu quarto.

Era pouco mais de cinco da tarde quando Diana começou a arrumar o seu quarto. Os homens da mudança já haviam partido havia meia hora e as mobílias já se encontravam em seus devidos lugares. Diana colocou cortinas e mobílias novas, e estava arrumando os quadros quando percebeu que a parede à esquerda da entrada pela porta era oca. Bateu duas vezes. De fato, era oca. Começou a tatear o local e percebeu que aquela não era a parede verdadeira do recinto. Achando estranho, caminhou pelo local até encontrar um martelo, pegou-o e caminhou em direção à parede. Bateu com o martelo inúmeras vezes na parede até abrir um pequeno buraco. Postou-se a espreitar o local. Constatou de que havia uma segunda parede logo abaixo da primeira. Entretanto, Diana fitou que havia algo na parede que parecia ser um quadro. Quebrou o restante da parede a fim de fitá-lo.

O quadro era antigo. Sua moldura, destruída pela ação de cupins durante anos, caía aos pedaços. Estava completamente empoeirado. Parecia ser um retrato, de alguém do século XVIII. Representava uma mulher nobre da aristocracia prussiana. Abaixo do retrato, ainda no interior da velha moldura, estava escrito:

"Gräfin Anna Ludwig von Russland, Herrin Aller Dieser Länder" – algo como Condessa Anna Ludwig da Rússia, Senhora de Todas Essas Terras.

- Ludwig... – disse Diana, pensativa. – Onde será que eu já ouvi esse nome?

Diana caminhou em direção ao seu notebook e ligou-o. Assim que o aparelho terminou de ligar, abriu uma página da internet e procurou por "Condessa Ludwig". Diversas páginas apareceram, e a mulher abriu uma delas. Contava sobre a história do Conde Adolph Ludwig (1688/1729), senhor de todas as terras a oeste da cidade de Berlim durante o início do século XVIII, e que foi enforcado depois de assassinar brutalmente sua família – a esposa, Anna da Rússia, e seus quatro filhos. Diana ficou estupefata ao descobrir se encontrar no antigo castelo do Conde Ludwig; castelo este que, segundo lendas que permeiam desde o século XVIII e XIX, contadas de boca em boca por pais aos amedrontados filhos, era assombrado pela alma de Anna e de seus filhos, que procuravam por Ludwig, a fim de saciar sua sede de vingança. Diana temia essa lenda, contada por seu avô, que conheceu o Hotel Kakashoro e sabia dos estranhos acontecimentos que permeavam o desaparecimento de seu dono durante o final da Segunda Guerra Mundial, e agora se encontrava em seu cerne.

Foi tomada por um súbito calafrio, seguido de um incontrolável tremor. Repentinamente, para tão somente piorar sua situação, um imenso estrondo aconteceu logo atrás de Diana, no mesmo recinto. A parede que quebrara não aguentou ter uma parte sua destruída e acabou por sucumbir, indo ao chão. O barulho foi ampliado pelo eco causado pelos corredores múltiplos do local. Diana sobressaltou-se. Virou subitamente para trás, vendo o estrago causado pela queda da parede – uma cômoda e sua cama estavam sob a parede de tijolos.

Diana, que já se encontrava com medo, tremia de medo e segurava para não chorar. Queria correr, queria fugir daquele lugar. Talvez o que o funcionário da prefeitura falou não estava de todo errado.



Michael chegou a casa às sete da noite. Ao adentrar no local, fitou Diana sentada no canto do quarto, aos prantos. Do outro lado, fitou uma pilha de tijolos no chão, sobre seus colchões e cama. Ao lado da porta, perto de Diana, se encontrava o notebook de sua esposa ligado e um retrato emoldurado, que parecia ser do século XVIII.

- O que... aconteceu... aqui? – perguntou o homem, atônito

- Vamos sair daqui... por favor – Diana ainda estava desesperada

- O que aconteceu, Diana? – perguntou Michael, correndo em direção à sua esposa. Abaixou-se e abraçou-a. Ela começou a debulhar em seu ombro.

- Por favor...

- Acalme-se... o que aconteceu?

- A...Aqui é amaldiçoado...

Michael riu.

- Não acredito que deu ouvidos ao que o funcionário da prefeitura disse.

- Não estou mentindo. Veja! – Diana se desvencilhou de Michael, limpou as lágrimas que escorriam pelo seu rosto e caminhou em direção ao notebook. Mostrou a página da internet aberta, que dizia sobre o "Conde Ludwig". – Estamos na mansão dos Ludwig, o da lenda. – apontou para o quadro – Veja!

Michael riu da situação.

- Dá uma volta na rua, para você se acalmar! – estendeu a ela um cartão de crédito – Toma. Se você precisar comprar alguma coisa... – pausou - Eu limpo essa bagunça...

- Você não acredita em mim, não é mesmo?

- Não existem fantasmas ou eventos sobrenaturais, Diana. Lendas existem aos montes, desde a Idade Média, onde diziam ter dragões e lobisomens. E elas não existem...

Diana assentiu com a cabeça. Não estava totalmente convencida.



Diana chegou do passeio da rua pouco antes das nove daquela noite. Michael já havia limpado o seu quarto e estava terminando o jantar. Pouco depois, tomaram banho e jantaram. Assistiram a um filme de comédia em sua TV de plasma em um cômodo que fizeram de sala e foram dormir, pouco depois da meia-noite.

Já deitados, Michael abraçou Diana e afagou seus cabelos. Esperou-a dormir. Quando Diana dormiu, apagou a luz da nova lanterna que comprou e foi se deitar. Dormiu cerca de dez minutos depois.



As exatas uma hora da manhã, Diana e Michael foram acordados de sobressalto. A porta do quarto bateu inesperadamente. Michael virou o corpo rapidamente, pegou a lanterna, e a acendeu. Em seguida, apontou em direção à porta. Estava fechada. Virou o foco da luz da lanterna a todos os cantos do recinto. Completamente vazio.

Diana estava se recuperando do susto, sentada na cama.

- Nossa... que susto... – disse Michael, com a mão sobre o peito. Diana estava calada. Seu marido sabia de seu medo em relação à lenda daquele local.

Repentinamente, a porta abriu-se novamente, lentamente, como se fosse empurrada pelo vento. Abriu uma nesga e, em seguida, ficou rangendo, fechando e abrindo, lentamente.

Michael caminhou em direção ao local. Segurou a porta, impedindo-a de continuar o seu vaivém e fitou o corredor. Completamente vazio. Levou a mão ao ar no local. O ar estava parado.

- Que estranho! – disse Michael, para si próprio

- O que foi? – perguntou Diana

- Não há vento... – disse.

Diana ergueu a sobrancelha.

Repentinamente, Michael escutou um estranho sussurro vindo pelo corredor. É o vento, pensou. Entretanto, seria melhor ver a origem do vento, para evitar da porta bater de forma violenta novamente.

Pegou a lanterna e caminhou em direção ao corredor. Ao se perceber submersa na escuridão, Diana contestou.

- O que está fazendo?

- Parece que o vento está adentrando na mansão por algum lugar. Eu só vou ver o que é!

- E você me deixará aqui, sozinha, na escuridão?

- Venha comigo! – respondeu Michael. O homem sabia que sua mulher temia aquele local.

Diana levantou-se e logo se postou atrás de Michael.

Michael adentrou no longo corredor onde o quarto 28 desembocava. O corredor, mergulhado em uma intensa escuridão de uma noite sem lua, com tão somente uma nesga de luz trêmula a iluminá-lo, tornava-se assustador. Os estranhos espelhos de madeira não corroída pelos cupins e de vidros limpos que se aglutinavam nas paredes do local tornavam-no ainda mais sombrio. Eles não pertenciam ao casal, e Diana estranhou o fato de estes serem a única mobília pertencente aos antigos donos. Contudo, ainda não tivera tempo de removê-los.

À medida que Michael e Diana foram ultrapassando as seis portas que se encontravam nas paredes do corredor entre os espelhos, o mero sussurro foi se tornando algo maior. Percebeu-se, a princípio, se tratar não de vento, mas de uma voz. Ou assim soava em seus ouvidos. Ao constatar da possibilidade de encontrar mais alguém além dos donos no interior daquela manhã, Michael diminuiu os passos, tentando fazê-los os menos audíveis possíveis. Diana acompanhou seu ritmo. A garota tremia de medo e seu coração estava pulando violentamente no interior de seu peito.

As portas e os espelhos mil foram ultrapassados, de modo devagar, por Michael e Diana. O medo no interior dos corpos do casal chegou a seu ápice quando os mesmos conseguiram entender o que a voz dizia: era uma espécie de chamado. "Adolph! Adolph! Adolph!", assim chamava a voz. Parecia ser uma voz feminina, de uma mulher adulta. Era aguda, como a de uma soprano. Soava leve nos ouvidos alheios, apesar de ser angustiante, por mais inacreditável que esse fato parecesse.

Apesar de outrora o nome Adolph ocupara sua mente, por conta do medo dos acontecimentos, Diana não se deteve a prestar atenção quem o invasor chamava. Sua concentração, naquele instante, estava no desenrolar dos acontecimentos, principalmente quando, já fitando o início do cômodo onde o corredor desembocava – feito de sala de TV pelo casal -, o grupo ouve-se um barulho de quebrar oriundo do quarto 28. Michael e Diana sobressaltaram-se. O foco de seus olhares e da lanterna virou-se imediatamente em direção à porta do quarto. A lanterna não chegava ao recinto.

Michael ouviu novamente o chamado desesperado da voz. Era preciso se concentrar no invasor desconhecido, pensou o homem. Virou o foco do olhar e da lanterna na direção da sala. Diana copiou os movimentos do marido. Contudo, ao fitarem a entrada da sala, sobressaltaram. Havia um vulto, branco, em formato humano, feito aparentemente de névoa parado na entrada da sala. Via-se claramente o contorno do corpo, principalmente do rosto – um rosto feminino, enrugado, apesar da jovialidade das curvas. Parecia desesperado, e se encontrava com a boca aberta. O vulto fitava a dupla.

- ADOLPH! – gritou o vulto. Sua voz era tão aguda que os vidros do recinto explodiram. O mesmo, contudo, não ocorreu com os espelhos

Diana e Michael, tomados pelo desespero mais absoluto, correram em direção contrária ao vulto, em velocidade máxima. Ao passarem pelos espelhos, foram tomados por um susto de tamanho inestimável. Os espelhos refletiam não a imagem desesperada do casal que corria, mas sim o estranho vulto que se encontrava, ou deveria se encontrar, naquele instante, no interior da sala no final do corredor. Braços nebulosos, saídos do interior dos espelhos, tentavam deter o avanço de Diana e Michael. Ao fitá-los pela primeira vez, Diana gritou. Em seguida, encolheu os braços, colando-os ao corpo e diminuiu o espaço entre as pernas. Aumentou, em seguida, sua velocidade.

Poucos segundos depois, Michael e Diana se encontravam no interior do quarto. Michael fechou a porta e trancou-a em seguida. O casal se encontrava no lado oposto da porta do quarto.

Tomado pelo desespero criado pela situação, Michael perguntou:

- Quem é Adolph?

- Deve estar se referindo a Adolph Ludwig, o tal conde que te falei e você fez ouvidos moucos, lembra? – disse Diana. Michael percebeu que sua esposa estava irritada com o fato citado por ela mesma.

Como eu me arrependo de não ter lhe dado ouvidos, pensou Michael consigo mesmo.

- Veja! – disse sua esposa, sentando-se à frente do notebook. Michael postou-se de pé ao seu lado.

Michael leu um artigo sobre Adolph Ludwig. Segundo o escrito, o Castelo de Ludwig foi vendido para Arnold Kakashoro em 1903, e logo um dos Hotéis Cassino da história da Alemanha ali nasceu. Entretanto, logo diversos estranhos acontecimentos começaram a acontecer no interior daquela mansão, como fantasmas e vultos, que culminou no desaparecimento do Sr. Kakashoro durante a Batalha de Berlim, em 1945.

- "Fantasmas e vultos" – repetiu Michael – Segundo o texto, esses fantasmas e vultos aparecem já para o Sr. Kakashoro, certo?

Diana meneia positivamente a cabeça.

- Se não é o Sr. Kakashoro aquele vulto, quem será?

- A condessa Anna da Rússia! – respondeu Diana

Michael ficou surpreso.

- Quem?

- A condessa Anna da Rússia, esposa do conde Ludwig!

- A esposa do conde? – repetiu o marido

- Sim. – Diana deu uma pausa - Segundo este texto, a mulher do conde, ao morrer traída pelo marido, não conseguiu partir para o descanso eterno e ficou a vagar pelo mundo material em busca de vingança. E ela leva a alma dos vivos para confortar sua alma destruída pela traição.

- E como podemos fazer para nos livrar dela?

Diana deu de ombros. Não sabia a resposta.

- O texto nada fala a cerca. – pausou por alguns segundos – Eles enxergam muito essa lenda com ceticismo!

Michael ficou em silêncio. Sentiu sua pele da bochecha enrubescer.

Repentinamente, para surpresa geral, a luz da lanterna e o notebook apagam, simultaneamente. Desesperados por se encontrarem no escuro absoluto, Diana e Michael começam a gritar e andar às cegas.

- Onde você está, meu amor? – gritou Michael

- Aqui! – gritou Diana

Michael ajoelhou-se e foi engatinhando pelo local.

- Eu vou procurar a lanterna! Tente me encontrar! – disse Michael

Diana continuou andando às cegas. Andava em círculo, imaginando-se andar em linha reta. Repentinamente, surpreendendo o casal, eis que surge um pequeno som oriundo do corredor. Era fraco e agudo, e dizia, com clareza: "Adolph". Diana e Michael começaram a entrar em desespero. Michael começou a tatear com maior velocidade pelo chão, enquanto sua esposa andava mais aceleradamente. O desespero é aumentado quando a porta do quarto é forçada. Uma, duas, três vezes... Na terceira, para desagrado geral, a porta é levada ao chão. Diana começa a gritar enquanto corria, ainda às cegas, longe de seu marido, enquanto o mesmo acelera em sua busca.

Michael acha algo, jogado no chão. Tateia-o. Tinha um formato cilíndrico e era pequeno. Achei, pensou. Ficou momentaneamente feliz, todavia, a situação lhe exigia estar tão somente desesperado, e não possuir outros sentimentos. Procurou o botão para fazer o aparelho acender. Contudo, para sua surpresa, eis que surge um grito de pavor oriundo do interior do recinto. A voz era de sua esposa. Procurou com mais afinco o botão, e o apertou. Estava suando, e sua mão escorregou pelo local. O primeiro grito se estendia ininterruptamente. Ouve-se um baque de algo indo ao chão e, em seguida, sendo arrastado pelo mesmo local. Aqueles acontecimentos faziam Michael entrar no auge do desespero, forçando-o a tentar ligar a lanterna o mais rápido possível. Tentou apertar o botão pela segunda vez. Conseguiu. Uma fraca e tênue luz apareceu da ponta da lanterna, iluminando tenebrosamente o ambiente. Naquele instante, conseguiu ver as pernas de sua mulher no interior do recinto, na porta, sendo arrastada para o corredor. Correu em sua direção. Contudo, antes de conseguir chegar perto de sua esposa, ela foi completamente arrastada para o interior do corredor e a porta fechou em um baque. Michael tentou abri-la, mas parecia trancada. Os gritos incessantes de sua mulher ecoavam pelo corredor. Seu marido afastou-se da porta, correu em sua direção, se jogou contra ela, levando-a ao chão. Naquele instante, os gritos cessaram. Ainda no chão, Michael apontou a lanterna em direção ao corredor. Vazio, completamente vazio. Levantou-se em um só pulo e postou-se a caminhar pelo recinto, apontando a lanterna em todas as direções e chamando sua esposa. Estava desesperado; ao mesmo tempo, estava amedrontado. Da mesma forma que temia o pior à sua esposa, temia o mesmo a si próprio.

Michael passou temeroso pelos espelhos. Olhava-os afinco antes de passar. Temia que o vulto ali se encontrasse para pegá-lo. O reflexo dos espelhos apenas lhe refletia. Passou pelas duas primeiras portas que se encontravam no corredor. Abriu as duas primeiras portas e postou-se a espreitar o local. Os cômodos, que não haviam sido mobiliados, se encontravam completamente vazio. Continuou a caminhar pelo corredor. Passou por mais espelhos. Entretanto, ao passar pelo segundo espelho adjacente à primeira porta à esquerda do corredor, sobressaltou-se. O reflexo não lhe mostrava, mas sim a sua esposa. Largou a lanterna e correu em sua direção. Batia desesperadamente no vidro, gritando por sua esposa. Ela parecia reagir de uma maneira adversa, como se lhe quisesse indicar algo.

O homem não vira, entretanto, mãos nebulosas saíram do espelho às suas costas, de uma forma lenta. Ele não percebeu, tentava de todo modo soltar sua esposa daquela espécie de prisão sombria. Só deu por si de que havia um inimigo atrás dele quando um par de mãos agarrou violentamente seu tronco. Michael postou-se a desvencilhar-se. Tentou se debater de todas as formas, enquanto era puxado para o interior do espelho, entretanto, não logrou êxito. Michael fora ali trancafiado. Em seguida, algo espatifa o vidro de todos os espelhos de forma simultânea. Era o triste fim de mais um casal que não levou a sério as lendas urbanas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Copyright © 2014 | Design e C�digo: Sanyt Design | Tema: Viagem - Blogger | Uso pessoal • voltar ao topo